segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Poema Familiar

Na segunda feira é sempre bom um pouco de humor para descontrair mais.
O poema abaixo relata um problema familiar seríssimo, se você tem problemas de família, conheça o poema abaixo e faça sua observação.

O POEMA FAMILIAR

Mas que loucura a minha vida,
De repente se tornou,
Pois ao casar com a Margarida,
A confusão se instaurou.

Vinte anos mais velha do que eu,
A idade parecia não importar
Tinha um filha bem grandinha,
Com muita vontade de casar.

O meu pai, viúvo há muitos anos,
Sozinho também não quis ficar,
Namorou com a mocinha algum tempo,
E logo, os dois subiram no altar.

Ao terminar a cerminônia,
Minha família tinha mudado,
Minha mulher virou sogra do meu sogro,
E meu pai, meu enteado.

Um ano depois, a coisa se complicou
Pois o filho de minha enteada nasceu
E, já que também era filho de meu pai,
Por consequência se tornou um irmão meu.

O filho de minha enteada,
Minha madrasta desde então,
Era neto de minha mulher,
E eu, avô do meu irmão!

Mas a confusão não parou por aí,
O que era minha grande esperança,
Menos de três meses depois,
Minha mulher teve uma criança.

Era o neto de minha madrasta,
Já que filho do filho do meu pai era
Mas, ao mesmo tempo, filho de sua mãe,
Que tornou-se irmã daquela fera.

Meu pai, virou cunhado do meu filho,
Já que sua irmã era mulher dele, vejam só!
E eu me tornei irmão do cunhado do meu pai,
Que também era filho da minha avó.

Hoje sou cunhado de minha madrasta,
O meu filho, sobrinho do meu pai,
Minha mulher, tia do seu próprio filho,
E eu virei avô de mim mesmo, ai!

Portanto, antes que o mal cresça,
Resolvi tudo isso acabar,
Vou dar um tiro na cabeça,
Antes de alguém mais engravidar!

___________________________________________________________________
COMPARE PREÇOS: Camera Digital, Notebooks, Livros, Micro system/Mini system
___________________________________________________________________

4 comentários:

André disse...

tche/coisas estranhas/ a vida da gente/ nao seria mais facil fazer uma vasectomia ( o cara fica brocha!) e acabava com isso. gostei do "poema" e copiei para meus arquivos/ sinceramente - valeu a leitura-abraços

Luiz Antonio André disse...

Ananias, me deu um nó na cabeça que eu não entendi mais nada. Que confusão é esta ?
Abraços

Valdeir Almeida disse...

Baratinou minhas idéias. Mas é interessante, justamente por isso.

Abraços.

Dalinha Catunda disse...

Oi João Alberto,
Gostei da brincadeira em versos, segue minha resposta.
Um abraço,
Dalinha

Balaio de Gato

Se eu fosse este cabra,
Dava um jeito na situação.
Cortava o saco dele e do pai,
E um a um retirava o “culhão.”
Só assim se resolveria
Esta grande confusão.

Isto não é uma família,
Parece um balaio de gato.
Ninguém sabe quem é quem,
É uma esculhambação de fato.
Se inventarem isto lá em casa,
Os machos todos eu capo.